No dia 02 de maio de 2016, em Foz do Iguaçu/PR, servidores dos tribunais de contas realizaram Seminário com o tema “Desafios do Controle Externo Brasil e Argentina”. O presidente do comitê organizador da Olimpíada e da ABRTC, Evandro Arruda, destacou a importância do momento, que trouxe a oportunidade de um intercâmbio de informações do corpo técnico dos Tribunais de Contas do Brasil e da Argentina. “Deixo esta semente plantada para que em um próximo seminário, com a ajuda de todos os dirigentes das instituições de controle externo do Mercosul, possamos fazer um trabalho rico e que traga informações valiosas e possibilite o maior intercâmbio entre os Tribunais de Contas”, enfatizou.

O vice-presidente do Instituto Rui Barbosa e conselheiro do TCE-ES, Domingos Augusto Taufner, expôs as novas ferramentas legais que entraram em vigor recentemente e que alteram formas de exercer a fiscalização sobre entidades do terceiro setor, além de outros importantes normativos que devem ser aprofundados nos estudos dos controladores externos. Representantes do Tribunal de Contas de Santa Catarina apresentaram os trabalhos realizados no Estado, no sentido de dar divulgação e publicidade à sociedade catarinense acerca das atividades e da importância do TCE/SC, aproximando à sociedade deste importante órgão de controle. Foi destacado o concurso de redação realizado em escolas da rede estadual com a temática Tribunal de Contas e a produção de infográficos com estudantes e especialistas de design, a fim de representar, organizar e apresentar as informações do tribunal de contas de maneira mais compreensível ao grande público em geral. Também expôs o presidente do Secretariado Permanente do Tribunal de Contas – República da Argentina, Ruben Quijano, sobre a parte técnica e a política institucional, frisando que têm que  caminhar conjuntamente. “Em uma época, na Argentina, e depois aconteceu no Brasil, queriam destruir aos TC's, fazê-los desaparecer. Contudo, não era porque os TC's eram maus na sua gestão, era porque não gostavam do controle. Hoje ainda querem substituir nossa atividade por mecanismos privados, mas posso lhes assegurar que o controle externo e interno que um auditor faz não se obtém do dia para a noite, é necessário um processo de capacitação contínuo. O que acontece em um país repercute no outro, por isso temos que estar unidos”, ressaltou o presidente. Finalizando as exposições, o presidente da Federação Nacional das Entidades dos Servidores de Tribunais de Contas (FENASTC), Amauri Perusso, fez um chamamento para a criação da Semana dos Tribunais de Contas, na qual, além das olimpíadas, poderia se programar um conjunto de atividades de discussão para o futuro dos servidores e das entidades de controle externo.

Representantes da diretoria administrativa da ASTCE/MA, participaram do Seminário e frisaram que discussões dessa natureza são importantíssimas pois engrandecem e possibilitam um canal aberto para troca de experiências e conhecimento da realidade do exercício do controle externo dentro de cada localidade. Agregado a isso, pode-se somar e tomar por base as ações que vêm dando certo, perceber os pontos de estrangulamento no sistema e contribuir para unificar e fortalecer os instrumentos e órgãos de controle externo através de políticas que visem maior efetividade e transparência em suas ações como um todo.